Archivo de la etiqueta: mulher

Mulher Águia

  Saiu do sonho como da vida. Ave solitária e dolorida, as asas cortadas, tolhidas. Penitente afastou-se do mundo, enclausurou-se. No fundo da caverna, resguardada, virou limo, pedra, escuridão, silêncio, Luz. Era uma mulher que renascia a cada amanhecer, seu … Seguir leyendo

Publicado en Uncategorized | Etiquetado , , , | Deja un comentario

DESAMOR

Recebeu o golpe em silencio, sem um gemido. Ele dizia que a amava e ela acreditava, pois jamais tinha recebido nenhum outro tipo de amor. O chão a recebeu cálido e sua textura pareceu-lhe aconchegante, só então se permitiu um … Seguir leyendo

Publicado en Uncategorized | Etiquetado , , , | Deja un comentario

A xícara de chá

Entrou em casa, sacou os sapatos, quitou o casaco, caminhou descalça até a cozinha, encheu a chaleira de água, acendeu o fogo, pegou um saquinho de chá e esperou a água ferver. Esse era o melhor momento do seu dia. … Seguir leyendo

Publicado en Uncategorized | Etiquetado , , , | Deja un comentario

DESCOMPASSO

DESCOMPASSO I Pela manhã, baixo um céu quase noturno, saía de casa a caminho do trabalho. Na banca de jornal comprava o diário. Na padaria do seu Manoel tomava café. Atravessava a rua e, perto do parque, alçava a vista … Seguir leyendo

Publicado en Uncategorized | Etiquetado , , , , | Deja un comentario

Versejando

I Caminharei à sombra dos abacateiros, nas madrugadas dos sonhos mal dormidos, e algum dia, quem sabe, quando o vento assombre as cortinas da sala, e a chuva repique velhas melodias contra os cristais, abrirei as janelas do meu corpo … Seguir leyendo

Publicado en Uncategorized | Etiquetado , , , | Deja un comentario

A ESPERA

Esperava o amor como quem aguarda a primavera. Vestida de inverno, permanecia parada numa esquina qualquer nas noites sem luar. Era pálida, de sorriso cálido, e tinha alguma coisa triste no olhar. Às vezes caminhava devagar sobre os paralelepípedos, às … Seguir leyendo

Publicado en Uncategorized | Etiquetado , , , | Deja un comentario

LUZ

Caminhava afobada, os olhos quase a sair das orbitas. Seu rosto era a máscara do medo. Ainda assim, percebi que tentava se controlar. Olhava para trás com dissimulo, e apertava o passo. Num certo momento, e como impelida por uma … Seguir leyendo

Publicado en Uncategorized | Etiquetado , , , , , | Deja un comentario